Porque o tempo das coisa é outro…

Eu ainda fabricava bolsas quando descobri e me apaixonei pelo Quilting. Queria mudar a vida e viver quiltando por aí. Foi um período estranho pois tinha a sensação de estar em cima do muro, não fazia nem uma coisa nem a outra por inteiro.
Um dia comentei com uma amiga que gostaria que todo esse processo passasse rápido e que meu trabalho com Quilting florescesse igual a pé de maracujá, bem rapidinho.

E para materializar essa ideia e realmente ver o processo acontecer, planteium pé de maracujá de verdade na varanda do meu atelier. E enquanto ele crescia, e cresce, meu trabalho e meus clientes e ideias floresceram também.
Enquanto o pé brotava eu fiz um curso de extensão na PUC-Rio, “Do tecer ao texto” com a professora Marcela Carvalho que tem como proposta bordar uma história.


Foi quando resolvi juntar as duas coisas, o curso e meu pé de maracujá, e me bordei bordando um pé de maracujá cheio de frutos e flores. Reparem que no desenho fui bem literal: eu sentada bordando um enorme pé de maracujá, cheio de flores e frutos.

 


Descobri que o tempo do bordado é um tempo diferente, muito diferente do nosso tempo de hoje, tempo de internet, e-mail, WhatsApp e Facebook. É um tempo de olhar pra dentro, um tempo de espera, de gestação, bem parecido com o tempo de uma planta crescer. Um tempo que a gente não tem o controle. Um tempo delicioso! 


#sóquembordasabe

Você talvez goste também